"Cada prato é único"

Bem vindo a Casa do Chef Eduardo de Castro

Maio, 1968. Frechas Mirandela, Trás-os-Montes , Portugal

A mãe Adriana, minha avó de sangue e de amor, coloca duas alheiras na lareira, que nesse já princípio de verão, continua fazendo falta na casa.

Pouco nos interessava o que acontecia em Paris e sua própria revolução, nem eu com os meus sete anos felizes de vida com os odores familiares.

O tempo foi passando, as memórias de Trás-os-Montes, das alheiras, dos vinhos, dos queijos, dos chouriços, dos pães e sobretudo do amor de quem faz, foram moldando a minha vida.

Das águas límpidas do Rio Tua que terminam no Douro, um dia cheguei ao Porto, invicta, amorosa, extraordinária cidade de gastronomia, de amor, de fidalguia e capacidade ímpar de conquistar pela boca todos aqueles que a querem amar.

Me apaixonei, virei jornalista no Comercio do Porto.

Andando pela Avenida dos Aliados, saindo com os repórteres da época, os sabores mudaram. A boca ficou sedosa de beijos da juventude, de francesinhas, de Super Bock e de amor pelo Futebol Clube do Porto . Conheci o Capa Negra, o Manoel Moura do Líder, a Petúlia, a Confeitaria Cunha, o Gaveto em Matosinhos e a broa de Avintes.

Fiquei refém dos cheiros, dos paladares da noite, dos prazeres da mesa e de conquistar o infinito, a palavra, o som. Só tinha vontade de imaginar que um dia esse seria o melhor dos mundos.

Estação de Campanhã, aqui tenho que dizer que o trem é comboio. E foi nele que fui para Paris.

Gard du Nord, portaria de entrada de um garoto apaixonado por croissants, queijos, língua portuguesa e vontade de vencer.
Na Rádio Alfa, já homem, um dia o jornalismo virou prato e um dia o prato virou paixão.

​ Sabe aquelas coisas que invadem a nossa vida e que nunca sabemos onde começaram e onde vão terminar? É disso que vos falo. Na Suíça, na Espanha, um caminho de 27 anos que poderíamos percorrer dedo a dedo, panela a panela, faca a faca, cliente a cliente. Quem sabe por aqui ou em outro lugar, poderemos pensar em escrever sobre a paixão de um homem que 24 horas por dia quer construir e ter uma cozinha só pra ele, onde criar, educar, aprender, ensinar e cozinhar são verbos que praticamos diariamente e que você vai conhecer nas próximas páginas.

Maio, 2018

Nasce no Morumbi a Casa do Chef vinda de Angra dos Reis. Nem vou falar da praia, porque ela com seus peixes e frutos do mar estão presentes em minha brasilidade e nos menus. Penso nos projetos que nasceram em Paris e que escolhemos para realizar nas esquinas que vão conhecer em seguida com seu café, restaurante, lounge, charutaria e loja de vinhos.

​ De maio e de Paris, também veio o conceito de equipe, de respeito pela diversidade, pelo meio ambiente, pelo produto, pela origem e por todos aqueles que trabalham de manhã à noite, construindo um sonho e uma paixão com um objetivo: cada prato é único.

Sejam bem-vindos ao meu mundo,

Um beijo

Casa do Chef © 2022 Todos os direitos reservados

Casa do Chef Eduardo De Castro

Gastronomia original desde 2015

Rua Mal. Hastimphilo de Moura, 233, Morumbi - São Paulo - SP I Tel. 11 2528 0175

Loja de Vinhos

Terça à sábado: 9h às 22h
Domingo: 9h às 17h

Restaurante e Louge Bar

Terça e quarta: 12h às 16h e 18h às 22h30
Quinta à sábado: 12h às 16h e 18h às 23h30
Domingo: 12h às 17h

Fechado às segundas